ECONOMIA DA FLORESTA

Turismo de Base Comunitária e Artesanato

Duas atividades com grande potencial econômico na região do oeste do Pará são o artesanato e o turismo. A atuação do Projeto Saúde e Alegria (PSA) nessas duas áreas vai no sentido de valorizar a cultura tradicional, empoderar as comunidades e preservar o meio ambiente.

As ações interdisciplinares do PSA voltadas à hospitalidade visam a fomentar o turismo comunitário, possibilitando que as populações da floresta se apropriem da atividade turística na Amazônia e a exerçam de maneira ecologicamente correta, economicamente viável e socialmente justa, disseminando sua cultura com responsabilidade. As comunidades recebem capacitação e apoio para a criação de polos de visitação e hospitalidade, cuja infraestrutura engloba empreendimentos coletivos e individuais.

O desenvolvimento do turismo social e ambientalmente responsável, integrado à vida das comunidades, dinamiza suas outras atividades econômicas, como a produção agrícola familiar, a oferta de serviços (culinária, lazer e passeios, por exemplo) e a produção cultural (artesanato, cultura, música etc.).

Paralelamente ao fomento do turismo comunitário, o PSA realiza um programa de desenvolvimento do artesanato baseado no resgate de técnicas tradicionais, que utilizem matéria-prima extraída da floresta de forma sustentável, e no apoio ao empreendedorismo, com assessoria organizacional, capacitações e estruturação de vendas e marketing.

Atualmente, o programa implementado pelo PSA envolve cerca de 60 artesãs em seis polos comunitários, que desde 2015 integram a Cooperativa de Turismo e Artesanato da Floresta (TuriArte).

Resgate do Artesanato da Floresta

O trabalho do PSA com artesãs e artesãos de comunidades tradicionais paraenses tem suas origens no Projeto de Resgate da Cestaria de Palha de Tucumã e Geração de Renda em Urucureá, implementado em meados dos anos 1990 e idealizado por Márcia Gama, artista plástica, arte-educadora e empreendedora social que coordena o Núcleo de Gênero Mulher Cabocla do PSA.

Na época, a dificuldade de comercializar a produção fazia as artesãs da região do Rio Arapiuns abandonarem a técnica tradicional do trançado de fibras – por exemplo, utilizando corantes industrializados e explorando cada vez menos a criatividade em formatos. Desestimuladas, as artesãs não se organizavam para empreender com uma estratégia comum que fortalecesse a atividade e garantisse a qualidade e a visibilidade dos produtos.

O projeto comandado por Márcia Gama começou com o resgate dos pigmentos naturais junto às artesãs mais antigas. O resultado foi a criação de uma coleção de alto valor cultural e comercial, que passou a conquistar novos mercados. As artesãs agora tinham compradores fixos e encomendas regulares, destacando-se em feiras de negócios no Brasil e no exterior.

A partir do sucesso dessa primeira experiência, iniciou-se uma nova etapa de trabalho com as artesãs: a formalização do empreendimento e a construção de autonomia na gestão. O empenho culminou na Associação de Moradores e Produtores Rurais e Extrativistas de Urucureá (Asmopreura), criada em 2000. Com isso, foi possível não só aumentar a produção de cestarias, como também adequá-la às normas de certificação socioambiental. Por estabelecer um modelo a ser seguido, o programa rendeu reconhecimentos importantes ao PSA, entre eles o Prêmio Cidadania e Iniciativas Sociais Inovadoras, do Banco Mundial, em 2002, e o Prêmio Nacional de Planos de Negócios da Ashoka-McKinsey, em 2005.

Desde 2008, a experiência tem sido expandida para outras comunidades, incluindo uma variedade cada vez maior de produtos artesanais.

ECONOMIA DA FLORESTA

Unidades Socioprodutivas

Mulheres Empreendedoras da Floresta

Agroecologia e Reposição Florestal

Cadeias da Sociobiodiversidade

Turismo de Base Comunitária e Artesanato

Energias Renováveis

Incubadora de Negócios Socioambientais

Últimas Notícias

Economia da Floresta
Economia da Floresta

Turismo Comunitário: curso em boas práticas de manipulação de alimentos capacita moradores da aldeia Vista Alegre do Capixauã 

Comunitários que atuam com receptivo no Turismo de Base participam de formação que habilita para manipulação adequada de alimentos; No período de 20 a 24 de maio, vinte pessoas participam do curso de boas práticas de manipulação de Alimentos na própria comunidade promovido pelo Projeto Saúde e Alegria em parceria com o Serviço Nacional de

Leia mais →
Economia da Floresta

Lançamento de projetos aprovados em projeto de fortalecimento de empreendimentos da sociobiodiversidade no Baixo Tapajós

Evento será realizado na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém no próximo dia 23 de maio; Organizações receberão apoios de R$ 70 mil  Projetos de Cooperativas e Associações de base comunitária, serão fortalecidos, empoderados e potencializados! Seis empreendimentos que trabalham com negócios da Sociobiodiversidade foram selecionados no Edital da Chamada Pública

Leia mais →
Economia da Floresta

Mediadores de Inclusão Digital são capacitados para atuar em comunidades tradicionais  de Santarém e Belterra

Primeira edição do curso promovido pelo Projeto Saúde e Alegria (PSA), reuniu mais de trinta moradores de aldeias indígenas, comunidades ribeirinhas e quilombolas  Com objetivo de capacitar jovens e líderes comunitários em inclusão digital, trinta e oito pessoas participaram do curso que ampliou conhecimentos sobre o uso consciente e educativo da tecnologia para promover a

Leia mais →
Economia da Floresta

Escola Floresta Ativa vai promover capacitações para fortalecer economia sustentável no Tapajós

Com ênfase no fortalecimento de cadeias produtivas da sociobiodiversidade, Escola da Floresta Ativa, beneficiará diretamente na primeira fase quase quinhentas pessoas da Resex Tapajós-Arapiuns, Flona Tapajós e PAE Lago Grande No meio da floresta, uma Escola adaptada às realidades das comunidades e aldeias, capacita para fortalecer as demandas locais. Mulheres, homens e jovens são formados

Leia mais →
Economia da Floresta

Primeiro óleo processado na usina extratora do Ecocentro marca capacitação de extrativistas do Oeste do Pará

Colaboradores da Acosper e técnicos do Projeto Saúde e Alegria participaram de nova formação para operação de equipamentos industriais usados no processamento de óleos em Santarém A extração do primeiro óleo de andiroba e manteiga de cupuaçu emocionou os extrativistas de comunidades manejadoras do Oeste do Estado do Pará. Com a operação da usina extratora

Leia mais →
Rolar para cima