ECONOMIA DA FLORESTA

Incubadora de Negócios Socioambientais

Para a Economia da Floresta ter uma expansão sólida e autônoma no longo prazo, as comunidades devem ser protagonistas no desenvolvimento de seus empreendimentos. Por isso, oPSA está consolidando os projetos fomentados pelo Floresta Ativa em um modelo de incubadora.

Na escola permanente LabCEFA, no CEFA, ocorre a criação de projetos seguindo o conceito de startup: após cursos anuais de empreendedorismo na escola LabCEFA, oferecidos com a colaboração de professores da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), pitches selecionam os projetos a serem apoiados, incubados e acelerados.

Além disso, o LabCEFA oferece capacitações regulares e funciona como um laboratório experimental de produção colaborativa em áreas como marcenaria, energias renováveis (Eletricistas do Sol), borracharia e ferramentas e soluções para a agricultura familiar.

Em parceria com a WTT (World-Transforming Technologies), o Instituto Invento e MIT Lab (do Instituto de Tecnologia de Massachusetts), o Floresta Ativa também estimula o desenvolvimento de tecnologias pelas próprias comunidades. As Oficinas de Desenho e Co-Criação de Tecnologias Apropriadas (D-Lab) adotam a metodologia maker para que soluções simples e de baixo custo melhorem a eficiência de atividades cotidianas.

Além disso, o PSA oferece, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), cursos profissionalizantes em eletricidade e mecânica de motores com carga horária de 16 horas.

Estudos de mercado e potenciais produtivos

O trabalho de incubação baseia-se também no diagnóstico dos mercados em que os projetos do Floresta Ativa estão inseridos ou podem se inserir, o que é feito em articulação com todas as organizações de base parceiras para avaliar os empreendimentos, identificar demandas, construir estratégias e planejar ações integradas. Esse processo inclui estudos sobre viabilidade econômica dos empreendimentos das Cadeias da Sociobiodiversidade, pesquisas de mercado e mapeamento de espécies vegetais para a meliponicultura, para a produção de óleos e essências e para a reposição florestal.

Na etapa de estudos, o Floresta Ativa identificou os empreendimentos que receberão a assessoria: Apruspebras (CEFA/Resex), Coomflona (Jaguarari/Flona), Acosper (EcoCentro/Santarém) e Turiarte.

Plano de negócios, fundo rotativo e microcrédito

No modelo de aceleração, os empreendedores da Economia da Floresta também passam a receber assessoria técnica mais estruturada, com a construção de planos de negócios e definições de natureza jurídica (MEIs, cooperativas, empresas sociais e/ou outras modalidades).

A fim de impulsionar e acelerar a atividade econômica sustentável na floresta, o PSA tem planos de constituir um Fundo Rotativo, com linhas de microcrédito para a formação de capital de giro e para a expansão de negócios e projetos comunitários, em todas as cadeias produtivas que já são apoiadas pelo Floresta Ativa e em toda a sua área de abrangência.

Assim, o Fundo atenderá a pequenos produtores agrícolas e agroflorestais, produtores de mel, óleos e essências vegetais, criadores de peixes e pequenos animais, artesãs, agentes do turismo de base comunitária e prestadores de serviços de apoio (como transportes e armazéns). O crédito servirá, ainda, à instalação de infraestrutura, incluindo energias renováveis, abastecimento de água e telecomunicações.

ECONOMIA DA FLORESTA

Unidades Socioprodutivas

Mulheres Empreendedoras da Floresta

Agroecologia e Reposição Florestal

Cadeias da Sociobiodiversidade

Turismo de Base Comunitária e Artesanato

Energias Renováveis

Incubadora de Negócios Socioambientais

Últimas Notícias

Economia da Floresta
Economia da Floresta

Cerimônia marca entrega do Selo artesanal do Serviço de Inspeção Estadual (SIE) da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará)

Santarém ganha Casa do Mel, espaço referência no processamento e comercialização do mel de abelhas sem ferrão com selo de inspeção estadual da ADEPARÁ Santarém e região celebram a chegada de um novo espaço referência para a compra de mel de abelha seguro, original e certificado. Sediado em espaço anexo à Sede do Sindicato dos

Leia mais →
Economia da Floresta

Empreendimentos de cooperativas e associações recebem recurso e renovam sonhos de geração de renda com a floresta em pé 

Apresentação de projetos de organizações comunitárias de Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos marcou repasse de 420 mil reais para fortalecimento dos negócios da sociobiodiversidade Formadas por populações extrativistas, indígenas, quilombolas, ribeirinhas, agricultoras e agricultores familiares, assentadas e assentados da reforma agrária, as organizações selecionadas são compostas majoritariamente por mulheres e jovens. Dentre doze propostas

Leia mais →
Economia da Floresta

Turismo Comunitário: curso em boas práticas de manipulação de alimentos capacita moradores da aldeia Vista Alegre do Capixauã 

Comunitários que atuam com receptivo no Turismo de Base participam de formação que habilita para manipulação adequada de alimentos; No período de 20 a 24 de maio, vinte pessoas participam do curso de boas práticas de manipulação de Alimentos na própria comunidade promovido pelo Projeto Saúde e Alegria em parceria com o Serviço Nacional de

Leia mais →
Economia da Floresta

Lançamento de projetos aprovados em projeto de fortalecimento de empreendimentos da sociobiodiversidade no Baixo Tapajós

Evento será realizado na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém no próximo dia 23 de maio; Organizações receberão apoios de R$ 70 mil  Projetos de Cooperativas e Associações de base comunitária, serão fortalecidos, empoderados e potencializados! Seis empreendimentos que trabalham com negócios da Sociobiodiversidade foram selecionados no Edital da Chamada Pública

Leia mais →
Rolar para cima