Economia da Floresta - Floresta Ativa

O Floresta Ativa é uma plataforma de oportunidades socioeconômicas voltadas ao manejo sustentável da floresta, fortalecendo cadeias produtivas que aproveitem melhor os potenciais existentes na Amazônia para empreendimentos agroecológicos e florestais, bioeconomia e de serviços ambientais que contribuam para a redução do desmatamento e das emissões de CO2 e, ao mesmo tempo, promovam segurança alimentar, elevação da renda e inclusão social das comunidades envolvidas.

As bases históricas da economia das comunidades tradicionais amazônicas são a caça, a pesca, o extrativismo e a agricultura de subsistência, geralmente com pouca circulação de dinheiro. Esse modelo vem sendo pressionado por novos ciclos econômicos (baseados na monocultura e na exploração minerária e madeireira), que, na forma como são implantados, têm aumentado os processos de ocupação predatória e o desmatamento ao invés de melhorar os índices de desenvolvimento socioeconômicos da região.

A Amazônia tem potencial para suprir o país com seus recursos naturais, mas são necessárias novas referências para uma economia que pense o futuro e que veja o meio ambiente como potencial e não como empecilho. Enfim, uma economia da floresta em pé. Nosso país é um dos maiores detentores de ativos naturais do planeta: 60% do bioma amazônico está no Brasil, com expressiva diversidade sociocultural e importância estratégica crescente em tempos de mudança climática, busca por economias de baixo carbono e acordos internacionais para a distribuição dos benefícios da biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

Se manejados de forma sustentável, esses recursos podem garantir o futuro do Brasil e do planeta. Para tanto, é necessário transitar do atual sistema para práticas mais modernas, eficientes e amigáveis ao meio ambiente, nos quais se produz mais com menos terra – com menos desmatamento.

As iniciativas do PSA nessa área são voltadas ao empreendedorismo sustentável, buscando promover a Economia da Floresta de Base Comunitária no desenvolvimento regional, com o intuito de elevar a renda das famílias ribeirinhas a partir do melhor aproveitamento dos produtos do agroextrativismo, da agricultura familiar, da bioeconomia e de serviços ambientais. Esse trabalho tem garantido o bom manejo dos recursos naturais de seus territórios e a manutenção da floresta em pé.

Parceria e Populações Participantes

Articulado em parceria com organizações locais, o Floresta Ativa foca as populações rurais extrativistas em Projetos de Assentamentos Agroextrativistas  (PAEs), Unidades de Conservação (UCs), Territórios Indígenas (TIs) e Territórios Quilombolas (TQs) do  oeste paraense, uma das regiões mais pressionadas da Amazônia, com aumento de desmatamentos, de queimadas e de conflitos socioambientais.

Financiadores

O Floresta Ativa tem apoio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com recursos do Fundo Amazônia. Aprovado em 24 de julho de 2018, com prazo de execução de 36 meses, o projeto tem investimento total previsto de R$ 12.493.011.

A colaboração do Fundo Amazônia/BNDES é articulada a convênios de contrapartida setoriais, como a Fundação Mott (Energias Renováveis), a Avina (Água), o Ministério da Cidadania (Saneamento) e Caritas-Suíça (Empreendedorismo Juvenil), além de outros de menor porte. A partir de 2020, contaremos com o apoio do Criança Esperança.

Acesse aqui o contrato de colaboração financeira do projeto.

ECONOMIA DA FLORESTA

Unidades Socioprodutivas

Mulheres Empreendedoras da Floresta

Agroecologia e Reposição Florestal

Cadeias da Sociobiodiversidade

Turismo de Base Comunitária e Artesanato

Energias Renováveis

Incubadora de Negócios Socioambientais

Últimas Notícias

Economia da Floresta
Economia da Floresta

Projeto Saúde e Alegria é homenageado na Cerimônia do Prêmio Chico Mendes

No Acre, o Projeto Saúde e Alegria recebeu reconhecimento como exemplo da continuidade do legado do líder seringueiro Chico Mendes. Caetano Scannavino participa de evento promovido pelo Comitê Chico Mendes  Xapuri no Acre, sedia a Semana Chico Mendes que relembra os 35 anos do assassinato do líder seringueiro morto pela sua luta contra o desmatamento,

Leia mais →
Economia da Floresta

Jovens e mulheres discutem participação e protagonismo em cooperativas e associações da agricultura familiar no Tapajós 

Etapa garantiu o fortalecimento de temas ligados à participação e empoderamento de jovens e mulheres nas organizações e fez o lançamento do edital de chamada pública do Projeto Mulheres Empreendedoras da Floresta “A mulher tem esse papel de liderança”, refletiu Luiza Lopes da comunidade Carão, região do Rio Tapajós durante o último módulo programado do

Leia mais →
Economia da Floresta

III Encontro do coletivo Munduruku Poy planeja safra da castanha: “importante para fortalecer a nossa resistência”

Planejamento da próxima safra foi realizado na aldeia Restinga região da TI Munduruku e reuniu lideranças indígenas de trinta e uma aldeias mundurukus. Coletivo Munduruku Poy foi criado em 2022 para estruturar alternativas sustentáveis. Este ano conquistou seus primeiros resultados com quase 32 toneladas de castanhas do Pará comercializadas e para 2024 a previsão é

Leia mais →
Economia da Floresta

Piscicultores iniciam testes para produção de ração orgânica para peixes em Anã, Resex Tapajós-Arapiuns

“Um grande sonho que é fabricar ração” iniciou para o Grupo Mulheres Sonhadoras em Ação (MUSA) da comunidade Anã em Santarém, no Pará. O primeiro teste para uso da extrusora de ração demonstrou potencial produtivo para piscicultura comunitária  Prestes a completar 25 anos, a criação comunitária de tambaquis em Anã ganhou reforço. Com uma máquina

Leia mais →
Rolar para cima