Famílias cultivam hortaliças orgânicas com assistência técnica regular, e aumentam produtividade na floresta

Três comunidades e uma aldeia da Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns, em Santarém, têm colhido legumes e verduras sem agrotóxicos em hortas familiares. Com acompanhamento técnico do Programa Floresta Ativa, estimam ampliar produção 

No meio da floresta, canteiros abrigam verduras e legumes para abastecer a área urbana de Santarém. Os produtos orgânicos (sem o uso de agrotóxicos), refletem a esperança de moradores de comunidades da Resex Tapajós/Arapiuns, de fornecer alimentos de qualidade e ambientalmente corretos.

A estratégia do Programa Floresta Ativa é fornecer alternativas economicamente viáveis e eficazes para o combate de pragas sem o uso de inseticidas, explica o técnico do PSA, Ari Batista: “Os treinamentos são focados em duas etapas: teoria e prática voltados à produção de mudas e controle de pragas e doenças”.

Juliete Dourado, da aldeia Americano, região Rio Tapajós, é uma das comunitárias beneficiadas com o projeto. A produtora indígena trabalha com horta há um ano e meio, e foi graças ao incentivo da equipe técnica, que apostou na produção orgânica e planeja ampliar a iniciativa: “Tem dado resultado e eu tenho esperança de ampliar minha horta. Foi um projeto do PSA que veio e chamaram pra fazer e deu certo. A minha expectativa daqui pra frente é ampliar minha horta e ter um rendimento melhor pra mim e minha família. Vender mais porque por enquanto estou vendendo só na minha comunidade. Mas eu quero vender mais, para a merenda escolar, para a Acosper. E meu sonho é produzir mais, para vender mais para o rendimento ser melhor pra mim e pra minha família” – comenta.

Dez famílias recebem acompanhamento técnico na Resex Tapajós Arapiuns. Foto: Pedro Alcântara/arquivo PSA.

Atualmente, dez famílias das comunidades Anumã, Carão, Pedra Branca e aldeia Solimões recebem acompanhamento técnico para implantar mecanismos legais de plantio e melhorar as condições para a produção. Além das orientações, recebem insumos como adubo, sementes, bandejas e estufa.

Os Sistemas Agroflorestais (SAFs) otimizam o uso da terra, conciliando a conservação ambiental à produção de alimentos, diminuindo a pressão pelo uso da terra. Nos SAFs são cultivados couve, cebolinha, coentro, chicória, pimenta de cheiro, tomate, berinjela e pepino.

Oficina de horticultura no CEFA, reuniu 19 produtores da região. Fotos: Ari Batista/PSA.

As mudas são produzidas no Centro Experimental Floresta Ativa coletivamente. Quando estão aptas à transferência, são entregues aos moradores. Regularmente os produtores participam de oficinas em horticultura. No período de 23 e 24 de agosto, a formação aconteceu no CEFA e reuniu 19 participantes para ampliar a diversificação da produção e potencializar a geração de renda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Projeto Saúde & Alegria
Rolar para cima