Economia da Floresta - Floresta Ativa

O Floresta Ativa é uma plataforma de oportunidades socioeconômicas voltadas ao manejo sustentável da floresta, fortalecendo cadeias produtivas que aproveitem melhor os potenciais existentes na Amazônia para empreendimentos agroecológicos e florestais, bioeconomia e de serviços ambientais que contribuam para a redução do desmatamento e das emissões de CO2 e, ao mesmo tempo, promovam segurança alimentar, elevação da renda e inclusão social das comunidades envolvidas.

As bases históricas da economia das comunidades tradicionais amazônicas são a caça, a pesca, o extrativismo e a agricultura de subsistência, geralmente com pouca circulação de dinheiro. Esse modelo vem sendo pressionado por novos ciclos econômicos (baseados na monocultura e na exploração minerária e madeireira), que, na forma como são implantados, têm aumentado os processos de ocupação predatória e o desmatamento ao invés de melhorar os índices de desenvolvimento socioeconômicos da região.

A Amazônia tem potencial para suprir o país com seus recursos naturais, mas são necessárias novas referências para uma economia que pense o futuro e que veja o meio ambiente como potencial e não como empecilho. Enfim, uma economia da floresta em pé. Nosso país é um dos maiores detentores de ativos naturais do planeta: 60% do bioma amazônico está no Brasil, com expressiva diversidade sociocultural e importância estratégica crescente em tempos de mudança climática, busca por economias de baixo carbono e acordos internacionais para a distribuição dos benefícios da biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

Se manejados de forma sustentável, esses recursos podem garantir o futuro do Brasil e do planeta. Para tanto, é necessário transitar do atual sistema para práticas mais modernas, eficientes e amigáveis ao meio ambiente, nos quais se produz mais com menos terra – com menos desmatamento.

As iniciativas do PSA nessa área são voltadas ao empreendedorismo sustentável, buscando promover a Economia da Floresta de Base Comunitária no desenvolvimento regional, com o intuito de elevar a renda das famílias ribeirinhas a partir do melhor aproveitamento dos produtos do agroextrativismo, da agricultura familiar, da bioeconomia e de serviços ambientais. Esse trabalho tem garantido o bom manejo dos recursos naturais de seus territórios e a manutenção da floresta em pé.

Parceria e Populações Participantes

Articulado em parceria com organizações locais, o Floresta Ativa foca as populações rurais extrativistas em Projetos de Assentamentos Agroextrativistas  (PAEs), Unidades de Conservação (UCs), Territórios Indígenas (TIs) e Territórios Quilombolas (TQs) do  oeste paraense, uma das regiões mais pressionadas da Amazônia, com aumento de desmatamentos, de queimadas e de conflitos socioambientais.

Financiadores

O Floresta Ativa tem apoio financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com recursos do Fundo Amazônia. Aprovado em 24 de julho de 2018, com prazo de execução de 36 meses, o projeto tem investimento total previsto de R$ 12.493.011.

A colaboração do Fundo Amazônia/BNDES é articulada a convênios de contrapartida setoriais, como a Fundação Mott (Energias Renováveis), a Avina (Água), o Ministério da Cidadania (Saneamento) e Caritas-Suíça (Empreendedorismo Juvenil), além de outros de menor porte. A partir de 2020, contaremos com o apoio do Criança Esperança.

Acesse aqui o contrato de colaboração financeira do projeto.

ECONOMIA DA FLORESTA

Unidades Socioprodutivas

Mulheres Empreendedoras da Floresta

Agroecologia e Reposição Florestal

Cadeias da Sociobiodiversidade

Turismo de Base Comunitária e Artesanato

Energias Renováveis

Incubadora de Negócios Socioambientais

Últimas Notícias

Economia da Floresta
Economia da Floresta

Turismo Comunitário: curso em boas práticas de manipulação de alimentos capacita moradores da aldeia Vista Alegre do Capixauã 

Comunitários que atuam com receptivo no Turismo de Base participam de formação que habilita para manipulação adequada de alimentos; No período de 20 a 24 de maio, vinte pessoas participam do curso de boas práticas de manipulação de Alimentos na própria comunidade promovido pelo Projeto Saúde e Alegria em parceria com o Serviço Nacional de

Leia mais →
Economia da Floresta

Lançamento de projetos aprovados em projeto de fortalecimento de empreendimentos da sociobiodiversidade no Baixo Tapajós

Evento será realizado na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém no próximo dia 23 de maio; Organizações receberão apoios de R$ 70 mil  Projetos de Cooperativas e Associações de base comunitária, serão fortalecidos, empoderados e potencializados! Seis empreendimentos que trabalham com negócios da Sociobiodiversidade foram selecionados no Edital da Chamada Pública

Leia mais →
Economia da Floresta

Mediadores de Inclusão Digital são capacitados para atuar em comunidades tradicionais  de Santarém e Belterra

Primeira edição do curso promovido pelo Projeto Saúde e Alegria (PSA), reuniu mais de trinta moradores de aldeias indígenas, comunidades ribeirinhas e quilombolas  Com objetivo de capacitar jovens e líderes comunitários em inclusão digital, trinta e oito pessoas participaram do curso que ampliou conhecimentos sobre o uso consciente e educativo da tecnologia para promover a

Leia mais →
Economia da Floresta

Escola Floresta Ativa vai promover capacitações para fortalecer economia sustentável no Tapajós

Com ênfase no fortalecimento de cadeias produtivas da sociobiodiversidade, Escola da Floresta Ativa, beneficiará diretamente na primeira fase quase quinhentas pessoas da Resex Tapajós-Arapiuns, Flona Tapajós e PAE Lago Grande No meio da floresta, uma Escola adaptada às realidades das comunidades e aldeias, capacita para fortalecer as demandas locais. Mulheres, homens e jovens são formados

Leia mais →
Economia da Floresta

Primeiro óleo processado na usina extratora do Ecocentro marca capacitação de extrativistas do Oeste do Pará

Colaboradores da Acosper e técnicos do Projeto Saúde e Alegria participaram de nova formação para operação de equipamentos industriais usados no processamento de óleos em Santarém A extração do primeiro óleo de andiroba e manteiga de cupuaçu emocionou os extrativistas de comunidades manejadoras do Oeste do Estado do Pará. Com a operação da usina extratora

Leia mais →
Rolar para cima