Cartilha educativa com linguagem contextualizada é distribuída para comunidades da Amazônia

Elaborada pela Rede de Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil a cartilha informativa para prevenção da covid-19 está sendo distribuída em comunidades do Baixo Amazonas por meio da parceiros do Saúde e Alegria;

Vinte mil cartilhas educativas elaboradas com linguagem acessível e voltada às populações ribeirinhas, indígenas e quilombolas estão chegando a comunidades isoladas de todo o Brasil. Os materiais foram desenvolvidos pela Rede de Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil –constituída por vinte e oito grupos étnicos no território brasileiro. Diante do avanço da pandemia no país, a rede identificou a vulnerabilidade em vários aspectos, inclusive de formação e informação. Para combater a pandemia por meio da informação para prevenção foi criada a cartilha intitulada “Povos e Comunidades Tradicionais”.

Em Santarém as cartilhas chegaram por meio da colaboração de uma apoiadora do Projeto Saúde e Alegria, Edmara Barbosa que há anos colabora com ações agroflorestais, soluções sustentáveis de permacultura e sintropia. “Ela imediatamente se propôs a imprimir do bolso dela as 20 mil cartilhas pra gente distribuir para o Brasil inteiro e ainda fez a doação e 10 mil máscaras. A gente fica muito feliz, muito emocionado. Nós já imprimimos essas cartilhas e vão chegar no Brasil inteiro em comunidades fazendo o mais importante que é a prevenção. Eu simplesmente não tenho palavras, só emoções pra agradecer essa irmandade da Edmara Barbosa, seus amigos, familiares e colaboradores. Muito, muito obrigada em nome de todos os povos e todas as vidas que você vai salvar com essas doações”, contou o coordenador do Saúde e Alegria, Eugênio Scannavino.

Através da doação, foram confeccionadas 20 mil cartilhas para distribuição, sendo dez mil para a região de abrangência do PSA no Baixo Amazonas. Além dos itens informativos, também foram doadas dez mil máscaras. As cartilhas estão sendo entregues para 22 pontos focais para distribuição pelas instituições representativas de PCTs.

Edmara Barbosa é escritora e roteirista de novelas, como Velho Chico. Filha de Benedito Ruy Barbosa, fez novas versões de Cabocla (2004), Sinhá Moça (2006) e Paraíso (2009.  Em Velho Chico, abordou na trama os dilemas entre a agricultura convencional e a agricultura sintrópica, da qual virou grande entusiasta.  Em 2019, realizou em parceria com o PSA, o Seminário Amazônia em Sintropia, que contou com o criador dessa técnica, Ernst Götsch e o cientista Antonio Nobre, e vem colaborando com o projeto para desenvolver experiência de agricultura sintrópica nas comunidades da Amazônia.

Um Festival sobre o tema estava previsto para acontecer este ano, mas foi inviabilizado pela Pandemina da Covid 19. Edmara Barbosa destacou que o vírus altamente letal, se propaga muito rapidamente e que, por não existir um padrão de comportamento, dificulta o tratamento e a descoberta de um remédio realmente eficaz contra a covid. “A única maneira de combater a covid-19 hoje é a prevenção, o isolamento social. A cartilha nesse cenário, tem um papel muito importante não só de informar, como esclarecer e orientar o uso da máscara, da luva e a forma correta de se fazer higiene. A gente tem só a agradecer ao Saúde e Alegria, a outras organizações que tem feito esse papel de levar até essas comunidades, evitando mortes desnecessárias” – comenta. Assista ao vídeo na íntegra aqui:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site! Rolar para cima